Blog Veja o arquivo
Futebol, paixão nacional (da Mongólia) - 1ª parte
Postado por Cotovelares às 22h49

 

O tagline era sedutor assim: três comunidades (uma de nômades mongóis, outra no deserto do Níger e a última na selva amazônica brasileira) sem água potável – que dirá energia elétrica para ligar uma TV – tentando desesperadamente achar um jeito de ver a final da Copa do Mundo de 2002, entre Brasil e Alemanha. O GC de abertura, em fundo preto, informa algo como “de quatro em quatro anos, a maioria da população mundial pára para ver o maior evento esportivo da Terra. Para alguns, o acesso é fácil. Para outros, não”.

 

Corte para o primeiro plano do filme: cinco homens, mongóis, montados em camelos, diante de uma paisagem vazia à frente. A materialização iconográfica do nada. Cada homem, mongol, com uma águia pousada no ombro. Um deles saca o binóculo e visualiza, lá diante, uma pequena raposa fugindo. O mongol faz um sinal e sua respectiva águia parte num vôo lépido em busca da danada. Se alguém me contasse, eu não acreditaria, mas o fato é que a águia dá uma voadora no peito da raposa. Ela cai e, num minuto, já está dominada pela ave predadora.

 

Os cinco homens, mongóis, festejam o feito. O detalhe é esse: para não terem suas inércias incomodadas, os homens, mongóis, treinaram águias para fazerem o trabalho duro, o papel de homem da casa. "Gente evoluída é outra coisa", o espectador pensa. E daí, tal como fazemos da vitória do nosso time uma coisa mais nossa do que do time, os mongóis dispensam às suas respectivas águias as soluções para seus problemas de afirmação. O primeiro mongol festeja que foi a sua águia quem golpeou gloriosamente a raposa, mas teria sido a do segundo mongol o bote fatal. Um terceiro mongol tenta o blefe, querendo incluir sua águia na conversa, mas é rapidamente desmascarado. “Todo mundo sabe que sua águia tem medo de coelho!”, diverte-se o primeiro mongol. “Todo mundo viu quando ela quase desmaiou diante de uma marmota!”. Sim, alguém levou ao cinema uma discussão sobre a masculinidade das águias da Mongólia. G-E-N-I-A-L!

Futebol, paixão nacional (da Mongólia) - 2ª parte
Postado por Cotovelares às 22h48

Corte para o interior de um típico lar mongol. Primeiro, vemos as águias enfileiradas para o que deveria representar o jantar delas. Numa outra mesa (sim, as águias estavam numa mesa), as pessoas. Um jovem mongol pergunta para uma velha mongol, de traços andróginos, como foi o dia dela. Ela diz que foi ótimo, como sempre. E vai além:

 

- Mais um dia contemplando a perplexidade da existência.

 

Alguém grita “boa!”, solicitando que a frase seja incluída no caderno de citações da vovó. Sem espanto, o jovem mongol que havia feito a pergunta tira do bolso um caderno amarrotado e faz a anotação. E comenta:

 

- Sem dúvida, é das melhores frases da vovó no mês.

 

* * *

 

O grupo de mongóis finalmente consegue encontrar uma torre elétrica e fazer a TV ligar. Mas a excitação pelas imagens do jogo é contida pela chegada de agentes do governo. Há um princípio de desentendimento. O líder dos agentes diz que a TV não pode ser ligada na torre.

 

- Então vou ligar aonde? – intervém, com propriedade, um dos mongóis, olhando (e sugerindo que todos olhem) à volta, o nada cosmopolita da Mongólia, sem ruas, sem carros, sem água potável, que dirá uma segunda(!) corrente elétrica.

 

O líder hesita um minuto, frente ao choque de realidade. Mas é categórico na réplica, dizendo que a questão não é o que eles pretendem assistir, a questão é que aquilo é proibido.

 

- O que é proibido? – segue sem compreender, com propriedade, o mesmo mongol.

 

O líder hesita novamente. E tenta mudar de assunto:

 

- Vocês têm um relógio?

 

Mongol 1 olha para Mongol 2.

 

Mongol 1: Temos um relógio?

Mongol 2: ...

Mongol 1: ...

Mongol 2: O que é um relógio?

 

 

* * *

 

 

E esse é só o episódio mongol. Ainda tem o dos africanos postando-se de pé no deserto (fazendo o típico gesto de levarem a mão à altura do coração) durante a execução do hino da Alemanha, e o do índio na Amazônia posando de gostosão entre os colegas da tribo, por ter uma camisa Nike oficial da seleção. Ah, sim, o filme chama-se A Grande Final e se eu fosse você não perderia de jeito nenhum. (FF) 

Saideira
Postado por Cotovelares às 22h30



Flagrante do último cigarro da curta carreira de FF. "Foi um grande companheiro", reconheceu o cotovelar, sem mais delongas.

 

Apocalipse - 1ª parte
Postado por Cotovelares às 14h04

Após ter sido barrado pelo velho bilheteiro (post Desamparo) e de ter sofrido o diabo em busca do meu assento naquele cinema (post Labirinto), finalmente iria ver Vênus. Eu tinha acumulado toda uma expectativa porque a história do filme, pelo que havia lido, era um mix de Lolita com Morte em Veneza, tudo isso numa perspectiva contemporânea: um velhinho legal-pra-caramba (Peter O’Toole) que inventa uma obsessão por uma garota fútil. Eu adoro os velhinhos legais-pra-caramba do cinema.

 

A cadeira que eu havia escolhido estava ocupada. Não me incomodei e, após uma negociação amistosa, sentei na terceira poltrona, para que a dupla de velhinhas (provavelmente irmãs, e certamente virgens) já instaladas ali não precisassem sair do lugar. Assim que me sentei, um casal de homens vem pelo lado oposto da fileira e senta-se à minha direita, deixando-me ilhado. Ensanduichado.

 

Velhinha Virgem 1: Hehe, tá me dando um soninho... hehe.

Velhinha Virgem 2: ...

Velhinha Virgem 1: Você também tá?

Velhinha Virgem 2: O quê?

Velhinha Virgem 1: Cansada.

Velhinha Virgem 2: ...

Velhinha Virgem 1: ...

Velhinha Virgem 2: Tô.

 

Homem 1: Mas as cadeiras dessa sala são um horror, né?

Homem 2: Se são.

Homem 1: E elas devem ser tão baratas... Ai, quer ver que é só se mexer um pouquinho que elas fazem nhec, nhec?

 

(Homem 1 mexe-se um pouquinho).

 

Homem 1: Tá vendo?

Cadeira: Nhec, nhec.

Homem 2: Tô.

 

Apocalipse - 2ª parte
Postado por Cotovelares às 14h04

O filme começa. O grande Peter O’Toole aparece em cena pela primeira vez. Velhinha Virgem 2, a que está do meu lado, faz uma sonoridade rudimentar, algo que lembra remotamente um longo suspiro.

 

Velhinha Virgem 2: Noooooooooossa, como o Peter O’Toole envelheceu!

Velhinha Virgem 1: É mesmo.

Velhinha Virgem 2: Ele era tão bonito...

Velhinha Virgem 1: ...

Velhinha Virgem 2: Eu também envelheci, mas ele...

 

 

Nesse momento, Velhinha Virgem 2 olha para mim, como se visualizasse na minha pessoa a juventude perdida em O’Toole. Homem 1 inicia uma tentativa de se enturmar comigo, para que ríssemos juntos de Velhinha Virgem 2. Eu rio, só que de medo. A coisa toda já se desenhava na minha cabeça: o lanterninha entraria subitamente, avisando que o fim do mundo finalmente chegou, e que teríamos dez minutos para arrumar nossas coisas e morrer. Imediatamente, eu sentiria algo movediço e molhado no pescoço, descobrindo se tratar de uma tentativa de chupão por parte de Velhinha Virgem 2. O reflexo para me defender me levaria ao colo de Homem 1, gerando em Homem 2 o olhar de quem me quer morto. Indiferente, Homem 1 tentaria ser agradável comigo.

 

Homem 1: Será que rola uma vidinha depois da morte? Hehe.

Eu: Shhhhhh!

 

Eu só queria ver mais aqueles dez minutos de filme. (FF)

 

 
Aloisio Milani    Diego Iwata Lima    Fábio Fujita    Fernão Ketelhuth    Fernando Masini    JP Ribeiro    Sérgio Praça    Vicente Laganaro
ABCD    EFGH    IJKL    MNOP    QRSTU    VWXYZ
Cadastre-se www.cotovelares.com Este mês no Clube dos Cronistas Cotovelares O passado do Clube dos Cronistas Cotovelares Faça parte do Clube dos Cronistas Cotovelares O que foi dito sobre o Clube dos Cronistas Cotovelares O que vale a pena na Internet Quem faz o Clube dos Cronistas Cotovelares cotovelares@cotovelares.com